WALL.E

Com base em longa experiência formei opinião de que educação econômica é fundamental seja para profissionais de comunicação, seja pra qualquer um.

Por outro lado sei que a lógica da economia é específica e não intuitiva, daí que precisa ser traduzida em “linguagem natural” para que as pessoas se interessem e aprendam.


Na imagem chamada Página 01 estão as notas da primeira aula da Unidade I do programa de
Economia e podem ser impressas com uma qualidade gráfica bastante razoável.
É um resumo do resumido, condensado e objetivo.

Um roteiro para o organização do cotidiano em sala de aula. Quase “pintura rupestre” que faço no quadro, alternando cores e rabiscos para explicar da forma mais concisa possível, os conceitos apresentados nos manuais e outros textos indicados na bibliografia da disciplina.

Trata-se de um eficiente recurso de concentração que utilizo para me auxiliar na construção dos raciocínios e que serve também de apoio aos estudantes, pois constitui um roteiro básico e agora digitalizado, dos principais conceitos do programa do curso.

 

walle-poster3

Dando sequência ao blog, como atividade complementar à discussão da Unidade I, estou indicando o filme WALL.E , animação da Disney e Pixar, como ilustração muitíssimo adequada para mais perspectivas sobre a natureza do fenômeno econômico (o objeto) e o princípio da escassez.  walle-retro5

No filme fica evidente que a humanidade alcançou uma  ordem de abundância que se mostrou insustentável e que acabou por reforçar o PRINCÍPIO DA ESCASSEZ (e o famoso “não há almoço grátis”).

Alguns comentários feitos pelos alunos serão avaliados e respondidos, de modo a dar repercussão ao assunto em pauta.

 Abraços.

 

                                                                                                

 

 

About these ads

30 Respostas para “WALL.E

  1. Jefferson

    Sendo o objeto da economia o Princípio da Escassez, o que pude perceber na produção animada da Disney é a escassez da natureza e seus recursos renováveis (matéria-prima). Sua tal importância poderia mudar a maneira de vida de uma sociedade, que naturalmente, depende desses recursos (como visto no filme). Hoje pode-se perceber uma ênfase voltada para as responsabilidades ambientais, onde todas as empresas agregam a um conceito “ecologicamente corretas” e campanhas informativas para a preservação e controle dos recursos naturais.
    O filme, por fim, ilustra um futuro distante, mas que parece bem próximo da nossa realidade.

  2. Diego Scorvo 4ºPeríodo de JN

    Wall-E, a genialidade de quem faz o melhor cinema

    A Pixar começou sua trajetória de sucessos com o 1º longa em 3D Toy Story(1995), um filme infantil que conquistou todos os públicos, marcando o cinema com seus personagens cômicos, seus dramas reais e sua critica a sociedade. Apesar das criticas propostas, o estúdio sempre procurou mostrar um olhar positivo sobre o mundo, passando uma mensagem de que é possível vivermos em um lugar melhor, basta querermos e lutarmos por isso.
    Logo depois, o pequeno estúdio filiado a Disney arrancou e não parou mais, com 8 filmes de sucesso de critica e bilheteria, conquistando sua independência há Disney esse ano.
    Em Wall-E, estamos no de 2700, onde a Terra ficou tão tóxica que os humanos debandaram – entraram todos numa gigantesca nave espacial, Axiom, que fica circulando o planeta esperando a hora em que as toxinas baixarão e as pessoas poderão voltar. Wall-E é o último dos robôs desenhados para limpar o lixo deixado na superfície da Terra.
    Com um orçamento de 180 milhões de dólares, o filme logo alcançou grande bilheteria, conquistando a 3ª melhor estréia para um filme da Pixar, com os seus 62 milhões.
    O roteiro do filme é um dos melhores do ano, ao mostrar o nosso planeta completamente assolado pela poluição, onde um pequeno robô e uma barata, inseto tão odiado por nos, sobrevivem na Terra. Em um mundo tão abandonado, fica difícil imaginar uma possibilidade de vida aqui, mas mesmo assim robôs mais desenvolvidos continuam na busca por algo que comprove que podemos voltar pra cá. Entre esses robôs aparece, EVA, que vira a paixão de Wall-E, fazendo com que o pequeno robô se arrisque e fuja da Terra.
    Em outro plano esta a nave Axiom, habitada por humanos gordos e que não envelhecem, com vidas tranqüilas, onde sua rotina é controlada por maquinas.
    Moral da historia, temos uma sociedade totalmente consumista, que não deseja de forma alguma trocar seu modo de vida por um planeta onde serão obrigados a trabalhar. Ai que o filme toca no principio da escassez, onde os bens de consumo e fatores de produção são limitados, fato que não agrada nem um pouco os humanos e robôs. Uma padronização de comportamento, isso que acaba acontecendo com a vida de todos os humanos. Viver não é mais importante, o que vale é consumir e vegetar, as pessoas ao redor não importam, os riscos e as emoções da vida também não.
    Uma critica bem sutil a nossa sociedade, mostrando a dualidade que a sociedade de consumo e o medo de enfrentar o principio da escassez causam em todos nos, transformando nosso modo de vida. No filme temos os heróis Wall-E e EVA para nos salvar, e na vida real, temos quem? A Pixar?…

  3. Henrique Antunes Rodrigues 4º Período - P.P

    O filme retrata a história do ultimo robô sobrevivente da linha de robos “wall -e”, estes designados a limpar o “lixo” deixado pelos seres humanos, que foram viver em Axiom, uma espaçonave que fica rodando a terra.

    Durante a sua limpeza Wall E encontra objetos que o fazem criar uma admiração pela espécie humana que ele sequer conhece.
    Em determinado momento uma robô, EVA, é enviada à terra com a missão de verificar se o planeta já é habitável novamente.

    O princípio da escassez estabelece que à medida que os bens e oportunidades tornam-se menos disponíveis e limitados, eles se tornam mais desejáveis, o que no filme pode ser visto como a destruição, a poluiçao da terra com o consumismo excessivo ao qual o ser humano é levado e que este prefere ver o seu mundo ser destruído e trasladar para uma outra moradia no espaço, à mudar sua forma de consumo.

    No filme o homem teve, durante os anos, seu consumo limitado, ate que chegasse ao ano de 2700, mas baseando-se no princípio da escassez é jusamente o fato de ter este limite que faz com que os homens consumam cada vez mais e mais.

  4. Fred Othero

    Um filme realmente muito bom, que assim como outras produções Disney trazem uma um conteúdo extra, fora as banalidades de uma animação cotidiana. Diferente das outras animações, com temática adulta, ou seja, essas que deveram fugir do normal, Wall-E nos apresenta uma ideologia, que por se tratar da Disney, me parece ate mesmo uma espécie de Lavagem Cerebral infantil. Porem desta vez “usada” com um objetivo mais humano.
    Não insinuo o antigo discurso de domino de mentes ou coisa do gênero, afinal, de certa forma não seria isso uma das funções dos profissionais de comunicação??
    Porem de maneira louvável o longa consegue expor seu ideal até para os mais novos, digo louvável pois de forma sutil, mas não tão sutil, consegue mudar o possível preconceito de alguns, que esperavam APENAS um desenho, e também consegue educar os que só queriam um desenho sobre os malefícios da política do “Bigger is Better”.

    PS: O que realmente me agradou foi como o blog serve para levar conteúdos da classe para um meio de troca mais atual, e tb como vc consegui deixar as informações dele interessantes tb para não alunos.

  5. Mariana Duarte

    Mariana Sales Duarte – 4º Período – PP

    Vivemos em uma sociedade completamente consumista, onde temos a utilização de bens e serviços para satisfazer necessidades ou desejos. Desejos que são infinitos com relação aos produtos disponíveis, o que nos leva ao princípio da escassez.

    A escassez está associada à incapacidade de satisfazer as necessidades humanas, não sugere pobreza, mas a existência de limites. Relacionando com o filme (onde o consumo não é diferente, aliás, é extremamente exagerado, o que sinceramente, não me assusta muito em vista do “mundo real”), temos o planeta Terra “inutilizável” por não ter mais onde colocar o lixo, temos um planeta tomado pelo consumo sem limite, dos seres humanos. Observamos a falta de limite e de certo “comportamento” no consumo representado no filme, a falta de importância e disciplina do ser humano, onde nada mais é importante além de consumir e satisfazer seus desejos e “status”.

  6. Kelly Caroline Versiani Ferreira - 4º período PP

    Os seres humanos são, desde sempre, incompletos e com desejos ilimitados. Vivem em busca de satisfazer suas necessidades, precisando assim, de mais formas e recursos para isso. A busca pela satisfação de seus desejos leva o indivíduo, por vezes, a extrapolar e alcançar o supérfluo. Porém, o consumismo é destruidor, e como não há um paraíso da abundância, a sociedade chega à escassez. O princípio da escassez ressalta que os bens são limitados, logo se esgotam quanto mais se usa, assim, a Economia se faz precisa para “padronizar condutas” e equilibrar o meio.

    A animação da Disney e Pixar, WALL.E, é uma amostra do futuro de uma sociedade excessivamente consumidora, e consequentemente destruidora. A vida na Terra deixou de ser possível com o esgotamento dos recursos que ela oferecia e com o excesso de lixo produzido pelas pessoas, que embora possuíssem um alto conhecimento científico e tecnológico, não foram capazes de preservar o ambiente onde viviam. Sem outra saída, foram para um novo planeta completamente artificial e cômodo.

    De uma maneira simples e comovente, utilizando de robozinhos expressivos e caricaturas, a animação ultrapassa o objetivo de só distrair e divertir os espectadores, inspirando neles a conscientização de suas atitudes e mostrando a possibilidade de um futuro artificial, caso o consumo desenfreado promova a escassez de tudo.

  7. Rafaela Morandi - 4° período JN

    O filme WALL.E tem como primeiro cenário o Planeta Terra em sua desolação total, tendo como habitantes uma barata e um robô, o WALL.E. O início o filme não faz referência nenhuma aos seres humanos, como se esses estivessem extintos, uma vez que não teriam como sobreviver em um ambiente tão poluído e em total escassez.

    Em contraponto o outro cenário nada mais é do que uma estação espacial feita para salvar os últimos habitantes da Terra, que tiveram que fugir para sobreviver. Na nave mostra uma população totalmente alienada com a realidade vivida, onde o consumismo impera de forma geral. Todos são gordos e tem seus desejos realizados ao simples comando de voz ou em um clique no seu computador.

    Concluindo, o filme é a retratação do principio da escassez, uma vez que o contraste entre essas duas realidades nos mostra como os recursos (meio ambiente) são limitados e que se continuarmos a viver nessa abundância aparente e com desejos infinitos a escassez será definitiva.

  8. Isabel Gariba - 4º período JN

    Desde os primórdios o ser humano vive inserido em um tipo de sistema econômico e o princípio da escassez. Quando ainda era nômade, ele procurava por um lugar aonde poderia se alimentar por algum tempo, até a comida acabar e então partia a procura de outro lugar em que houvesse abundância aparente.

    Com o tempo ele foi capaz de perceber que poderia permanecer em um só local, se tivesse paciência de esperar pelo alimento que cresceria ali novamente. Então surgiram as civilizações e com elas vieram outras necessidades para a sobrevivência.

    Os milênios foram passando e o ser humano foi evoluindo, seus desejos aumentando e sua perspectiva também, até que chegamos no mundo de hoje, com o capitalismo e o consumismo exagerado. Certas coisas que não eram necessárias anteriormente, hoje são inevitáveis. Mas essa evolução está desgastando o planeta e a natureza.

    Essa destruição provocará uma enorme escassez, que fará com que o homem não possa mais viver na terra. A poluição e a devastação farão com que apenas baratas e robôs sejam capazes de viver por aqui e será inevitável a criação de uma plataforma espacial em que o homem possa viver novamente em sua abundãncia aparente, como retratado em WALL.E, porém essa abundância também não será eterna.

  9. Ana Flávia - 4o período PP

    O filme se inicia em 2700, retratando a Terra e o que restou dela. Seus únicos habitantes são o robô Wall-e e uma barata, que vivem em meio a pilhas de lixo. Todos os seres humanos são mostrados vivendo em uma nave espacial, onde não precisam fazer qualquer esforço para verem seus desejos atendidos. Com a intervenção de Wall-e na nave, observamos que esses seres humanos são completamente alienados do mundo ao seu redor e de todo o passado humano na Terra, já que a nave existe há 700 anos.
    Percebemos, então, que o filme retrata de forma drástica o que pode acontecer se desrespeitarmos o princípio da escassez. Consumindo de forma desenfreada, o homem do filme não percebeu que os recursos da natureza são escassos até que não havia mais nada a ser aproveitado e que possibilitasse o consumo. Foi ai que se viu obrigado a sair da Terra, porém com a esperança de que um dia a natureza ressurgisse com recursos, para que pudesse retornar. 700 anos mais tarde um broto é descoberto, após analises no planeta, revivendo as esperanças de um mundo novamente habitável.
    Espero que os governantes do mundo se inspirem em filmes como esse, assistindo não apenas como uma animação para crianças, mas como um alerta a sociedade do consumo. Felizmente a preocupação ambiental vem crescendo e o homem vem aos poucos se conscientizando de que o princípio da escassez não deve ser ignorado.

  10. Nayla Rodrigues - 4ºPP Manhã

    Se não houvesse escassez nem necessidade de repartir os bens entre os homens, não existiram sistemas econômicos, pois a ciência econômica trata a escassez de bens de consumo e de sistemas de produção como uma realidade básica da vida.
    O Filme Wall-e deixa a importância disso que chamamos de “Princípio da Escassez” evidente no momento em que retrata uma sociedade em condições de extrema abundância e recursos ilimitados. Com comodidade, entretenimento e alimentação à vontade, fornecidos por meio de máquinas e robôs, a Economia se torna uma ciência inútil, já que é vista fundamentalmente como o estudo da escassez e dos problemas dela decorrentes.
    Tendo em vista a chegada de um material orgânico do Planeta Terra, percebe-se uma certa tendência ao uso da Economia, principalmente no momento em que os homens “encerram” seu cruzeiro espacial e retornam à Terra. Logo se deparam com a imensa escassez de recursos e cuidam do seu maior “bem econômico” no momento, a planta.

  11. Thiago Augusto R. 40 pp /manhã

    Na natureza, os recursos são escassos. No livro, “Ecoeconomia, de Hugo Penteado, é abordado o tema escassez pensado a partir da economia. Sua crítica reside essencialmente na cultura popular que insistentemente evita mudar de postura mesmo assistindo a degradação do planeta Terra. Propor soluções é um grande problema da humanidade. Penteado apresenta o mito do “jogar fora”, que consiste na idéia fantasiosa de que ao nos desfazermos de um produto, estamos jogando fora, quando na realidade o lixo permanece na Terra.
    O filme Wall-e, animação da Pixar, dirigido por Andrew Stanton, apresenta a mesma crítica proposta por Penteado, e conclui que o problema do lixo, de fato não teve solução. O planeta Terra foi transformado em um depósito de lixo, poluído e impróprio para a vida. Dessa forma, a raça humana abandonou a Terra e foi viver no espaço, aos cuidados de robôs especialistas.
    Na Terra, Wall-e, um robô designado para compactar lixo, se apaixona por Eva, um robô sofisticado que tem como função procurar algum sinal de vida no planeta. No decorrer da história, percebe-se que Wall-e se assemelha a um outro robô já explorado no cinema. Em 1988, o filme “Um robô em curto circuito” apresenta, Johnny Five, um robô que possui características físicas semelhantes a Wall-e, como seu modo de locomoção, visão e braços, além de que, também passa a ter sentimentos e age de maneira impulsiva, diferente do comportamento esperado de robôs. Outro personagem que se assemelha a Wall-e é o simpático E.T. de Spielberg, que complementa seu personagem.
    A questão central desta obra está no comportamento dos robôs, já que, eles se mostram mais humanos que do os presentes no filme, que por sua vez são obesos, tristes, inativos e moldados pela publicidade. É nessa ambigüidade de comportamento que conseguimos ter um porto seguro. Isto porque, o gigante Walt Disney Pictures, nos Estados Unidos, tem a coragem de propor uma crítica ao consumismo, algo que vai contra a proposta de qualquer empresa que espera lucrar. Entretanto, a crítica para na crítica, já que facilmente encontramos nas lojas “Americanas” jogos, bonecos, pelúcias e produtos Wall-e.
    A crítica sobre o ciclo do consumo nos faz repensar acerca do nosso comportamento, como “destruidores de produtos”, porém não nos impõe que abdiquemos de desejos, ponto fundamental de uma sociedade que espera evoluir economicamente, mas nos faz refletir sobre o que desejar. Por outro lado, trata-se de uma equação desequilibrada, onde nossos desejos são infinitos e os recursos são escassos. Mesmo em uma economia onde o lucro e a confiança parecem inabaláveis, a busca por um equilíbrio parece o caminho mais sensato.

  12. Denver Oliveira / 4ºPP Manhã

    Através da animação WALL-E, pode-se, claramente, visualizar a utilização dos recursos naturais até a sua escassez. O que vemos, é um planeta destruído, desolado e desocupado, pois, a humanidade simplesmente o abandonou. Desta feita a crítica surge como um tapa na cara: somos os culpados pelo fim dos recursos impulsionados pelo desejo consumista. E, como foi discutido na aula de Psicologia do consumo (9/2), para consumir, temos que destruir. A equação é simples. Mas a citada animação nos deixa uma grande lição que, oxalá seja assimilada, não só pelos que comandam a estrutura da extração de matéria-prima, mas também por todos nós que, ao concretizarmos o ato de consumo, façamos dele um ato consciente.

  13. Kenia Roberta

    A proposta do filme WALL.E é mostrar como o planeta pode ficar se a sociedade continuar consumindo exageradamente apenas satisfazendo os seus desejos.
    No filme o período de escassez é apresentado claramente por um planeta poluído e somente robôs poderiam sobreviver naquelas condições, por isso a sociedade é transferida para uma nave e vive no espaço a espera de encontrar vida no planeta. Mas as pessoas dentro da nave são tratadas como bonecos pelos robôs e apresentam vários problemas que podem ser apontados na sociedade atual como: a obesidade, consumo excessivo e a troca das práticas humanas por equipamentos tecnológicos.
    Para alcançar o período de abundância na terra foi necessário que o comandante da nave se desvinculasse da vida na nave e fizesse com que as pessoas voltassem com ele para a terra, ou seja, foi um novo desejo de uma pessoa que fez gerar esse acontecimento na terra.
    Acredito que a idéia do consumo sustentável poderia amenizar esses problemas e evitar a escassez dos recursos naturais que são os elementos essenciais para obter o período de abundância, e da maneira como aconteceu no filme despertar o desejo de todos em alcançar o equilíbrio do consumo na sociedade.

  14. Camila Lacerda - 4º PP - manhã

    A animação Wall-e da Disney, como boa parte dos filmes dessa produtora, traz consigo outros significados, além de diversão e distração. O filme é definitivamente muito engraçado e divertido, mas não trata-se somente disso. Podemos também encontrar o conceito do princípio da escassez, no modo como a Terra foi coberta pelo lixo do consumismo excessivo e, dessa maneira, tornou-se inabitável devido a destruição de toda a forma de vida natural do planeta. Vemos na animação que apesar de todos terem ido embora e ficado fora 700 anos, restaram o robô Wall-e a barata, que não desistiram de recuperar a Terra. Podemos notar isso principalmente pelas características humanas do robô tanto expressivas quanto sua “mania” de guardar objetos interessantes ou que lhe despertam algum forte sentimento, como o filme que ele assiste repetidas vezes. No passar dos séculos não se desistiu do planeta e vários robôs foram enviados para checar se haviam, novamente, condições de vida no planeta. Daí surge Eve, a robô que encontra uma planta na Terra e junto de Wall-e faz de tudo para que todos possam voltar a viver aqui. Distante da vida parada de Wall-e e da descoberta de Eve temos a Axiom, com seus humanos gordos e alienados, que esqueceram o que significa Terra, ar livre, exercício e interação. Todos estão tão presos à suas vidas fáceis, suas cadeiras flutuantes e seus “copões” de comida que, o comandante da nave, ao ver o atual estado da Terra pensa duas vezes antes de voltar para recuperá-la. Mas, pelo menos no filme, o amor pela terra natal fala mais alto e os leva a tentar reconstruir o que eles mesmos destruíram. A lição a ser tirada dessa animação é como devemos nos lembrar do princípio de escassez e criar uma maneira sustentável de viver em nosso planeta, sem cobri-lo de lixo e de gases tóxicos. O consumo precisa ser reduzido e a exploração desacelerada, só assim não precisaremos de robôs para limpar o planeta ou de naves que nos deixem longe daqui por longos 700 anos.

  15. Fernanda Rezende 4° PR

    Através da animação WALL-E da Disney,vemos que no ano de 2700 o planeta terra e todo soterrado de lixo, e os seres humanos deixam a terra de lado em uma grande nave.E Wall-E continuou na terra por 700 anos com a missão de limpa-lá.E ele não desiste disso e faz com que os humanos possam voltar a habitar no planeta terra. Daí vemos que no filme trata da escassez do planeta e dos seus recursos naturais que já não existiam. Onde só podia ser habitado por robôs.
    Hoje isso nos faz pensar sobre como estamos tratando o planeta terra, e o quanto temos que minimizar os problemas evitando a escassez dos recursos naturais. Temos que ser mais conscientes para que isso não ocorra..

  16. Bárbara Brito- 4º PP manhã

    A animação WALL-E serve como um alerta a nossa sociedade consumista. Até quando os recursos naturais de nosso planeta irão durar, se nunca nos satisfazemos com nada?Até onde iremos chegar a fim de preenchermos o vazio que se encontra dentro de nós?
    Quanto mais se tem, mais feliz é! Essa é a ideologia difundida, principalmente pela mídia, em nossa sociedade.
    Devemos nos conscientizar de que há outros meios para conquistarmos a felicidade, e que a felicidade nunca será alcançada com algo instântaneo, ela não é como um brinquedo que compramos, que se quebra e jogamos no lixo, ela é construída ao longo de nossas vidas através de nossas relações, não é nada material.
    Devemos compreender que nosso individualismo e cobiça têm nos tornado seres alienados e presos ao consumo exagerado, contribuindo assim com nossa própria destruição.

  17. A escassez de recursos naturais é cada vez mais uma preocupação das sociedades. É inquestionável os resultados desastrosos que a natureza vem sofrendo nos últimos tempos pela ação do homem. As consequências desse contexto é a uma instabilidade natural que gera perdas materiais, levando a um prejuízo na produção, no mercado, na economia e por fim na cultura.
    Em WALL-E há uma tentativa de se prever os resultados da forma desrespeitosa como o homem vem agindo diante da natureza. Mas é pouco provável que o enredo do filme se torne realidade, pois na mesma medida que a destruição aumenta, cresce também uma frente de batalha que luta pela preservação do nosso planeta e aos poucos vão conseguindo mudar a atual forma de idealizar a uma sociedade perfeita, uma sociedade que não dependa do consumo exacerbado para ser feliz.

  18. Viviane Rocha

    Através do filme Wall-E, podemos perceber a importância do consumo em relação a nossa sociedade . O filme nos mostra o nosso amanhã, como estamos comportando diante da situação dos nossos recursos naturais.
    Estamos começando a sentir a fúria da natureza diante do nosso planeta. Um dos exemplos são as enxurradas que estamos presenciando quase todos os dias, fruto da nossa “ignorância” de desrespeitar a natureza.
    A animação de Wall-E retrata como as pessoas ficaram fora da terra por 700 anos para que robôs pudessem limpá-la e é muito interessante a maneira como nos descreve: uma sociedade consumista, obesa, imprudentes…
    Mas os seres humanos não pensaram que esse excesso de lixo do consumismo poderia afetar a natureza, tampouco o que seria produzido.
    Após esses 700 anos, Eve (robô) encontra um broto que revela a “retomada” da vida na Terra.
    Esse filme nos faz refletir muito sobre a nossa consciência em relação da sociedade. Será que vamos chegar ao ponto de precisar sair da Terra por consequência de nossos próprios atos? Nós, enquanto futuros Relações Públicas, podemos sim evitar tal questão utilizando nossos instrumentos e o conhecimento sobre as relações humanas, fornecidos pela Comunicação.

  19. suellen R. Oliveira 4ºRP

    De acordo com o filme “Wall- E”, é visivél a falta de consciência do ser humano com relação ao próprio lugar em que habita e a falta de respeito com os outros seres que fazem morada nele, tornando esse lugar um “lixão”! Lixo esse gerado pelo consumismo desemfreado e pelas intervenções governamentais que não propiciam verdadeira mudança na sociedade. Assim, podemos realçar a importância da Comunicação como sendo um agente intrínseco à sociedade, que pode mudar o rumo da história. Dessa forma, evitaremos o que no filme foi retratado, por meio da influência dos profissionais e das técnicas de comunicação no ambiente politíco, social, econômico e outros que constituem a humanidade.
    Por fim, diante dessa questão que envolve a comunicação, podemos e devemos fazer algo para que o lixo vindo do consumismo – que gera mercado, que por sua vez é a base da economia – não traga momentos de crise na balança da sociedade.

  20. Paula Cristina Rezende O.- 4º RP

    A natureza das relações econômicas pressupõe a compra e venda de produtos os mais variados (leis de oferta e procura) que depende da insaciabilidade dos desejos humanos.
    A cada dia, nota-se o quanto se torna feroz o poder da Comunicação e de seus profissionais na manipulação – e por quê não dizer criação – desses desejos, quer seja consciente ou inconscientemente. O que as leis de consumo não têm considerado, todavia, são as adversidades à meta de vender a qualquer custo, desconsiderando,pois, os limites existentes para desejos, matérias-primas e, consequentemente, produtos. Evento que se traduz no princípio da escassez.
    O filme “Wall-E” ilustra bem a temática de recursos escassos, já que os humanos consequiram usar a Terra sem pensar no amanhã e o lixo que foi gerado a partir de seu consumo também não tinha um destino calculado, tanto que eles foram obrigados a deixar o planeta.
    A falta de planejamento econômico é, de fato, algo que pode vir a destruir o planeta e aquilo que tanto desejamos pode vir a nos faltar. Assim como a Comunicação serve aos meios para que se façam desejar, deveria também nos fazer preservar.

  21. Confesso que economia sempre foi um assunto que tive uma espécie de “pré-conceito”, por achar difícil, complicada. Porém, ao ver Wall.E pude entender a economia presente no filme a partir de uma outra visão,além da bonitinha história do casal de robôs e um final feliz já esperado quando se trata de produções do mundo mágico da Disney.O filme, apesar da redundância de palavras do tipo “Wall.EEEEEEEEEEEEE” e “Evaaaaaaaaaaaaaa”, e a plantinha na bota que representa um futuro não tão distante, mostra uma idéia de que todo o desperdiço exacerbado e acúmulo desenfreado de lixo/luxo, nos leva ao caos.
    Se faz necessário uma premissa sobre novas formas de economia vista a partir do princípio de escassez eminente. Acredito que somos responsáveis pela situação quase gritante e pouco discutida da restruturação da matéria prima não reciclável e mesmo a recicláveis que requer uma atenção maior. A economia,na forma mais “rupestre”, leva ao entendimento de como alocar os nossas sobras para que nós não tornamos as sobras.
    Wall.E e Eva, o casal bonitinho que arranca suspiros de fofuras pela história de amor, e os “futuros” seres humanos gordinhos simpáticos que parece engraçado, mas que, no fundo, faz parte de uma verdade que talvez não faz parte da mente de todos seres humanos que vivem em 2009.

    Lorena Karoline Martins de Lisboa Simões, 4ºperíodo de Jornalismo

  22. Ana Paula de Oliveira 4º pp Tarde

    Segundo o princípio da escassez os recursos são finitos e influenciam diretamente no preço dos produtos, mas em contra partida os desejos são infinitos e portanto não há recursos suficientes para satisfazer todos os desejos de consumo dos indivíduos. Essa perspectiva da Lei da escassez é exemplificada no filme Wall-e, onde o consumo desenfreado tornou a Terra um imenso e inabitável depósito de lixo. É a sociedade do consumo levada ao extremo.
    Apesar de ser uma ficção, a animação da Disney e Pixar alerta para o comportamento da sociedade contemporânea onde o consumo é apresentado como solução para os problemas, a conquista da felecidade e da realização. Portanto para que as consequências desse consumo ilimitado não cheguem ao extremo da escassez e da destruição da Terra é necessário uma reeducação dos hábitos de consumo dos indivíduos e uma constante conscientização na formação das crianças.

  23. Diego Soares Concesso 4° PP Manhã

    Wall. e a retratação do que poderá acontecer com a Terra se os seres humanos continuarem consumindo da forma que vem fazendo ao longo dos anos. Relacionando o filme com a Lei da Escassez onde a mesma diz que “os bens são escassos porque não há recursos suficientes para produzir todos os bens que as pessoas desejam consumir” podemos perceber que vivemos numa sociedade pós – moderna onde o super consumo pode ter conseqüências drásticas se não for controlado rapidamente. O filme serve como alerta a bons espectadores onde podemos notar que o mundo tornou – se um depósito de lixo, sem vida, sem cor. Se não houver uma reeducação dos hábitos de consumo a tendência é só piorar cada vez mais tornando o planeta um lugar impossível de se habitar como o filme mesmo mostra.

  24. Andressa Lopes - 4º JN

    Através de uma ficção, o filme nos apresenta uma visão de um futuro desolador para o planeta Terra e seus inconsequentes habitantes.
    Como seres racionais sabemos que na vida “tudo tem um preço” e que “sabendo usar não vai faltar”, mas continuamos ignorando os sinais de alerta que a natureza nos tem dado.
    Acredito que o próprio homem (e somente ele!) descobrirá um meio de viver em harmonia com o planeta, reconhecendo e respeitando o princípio da escassez.
    Pois quem tem o dom de criar algo tão belo como a música La vie en Rose, há de encontrar com certeza um meio de garantir a preservação de todas as espécies, inclusive a da complicada raça humana.

  25. Andrezza F. Rocha - 4º JN

    WALL.E, o filme da Disney e da Pixar, transmite uma primeira impressão de um gigantesco ferro-velho em um planeta totalmente deserto, onde o contato inicial com o sistema econômico foi às propagandas ainda existentes e partindo daí para o entendimento do filme.
    Uma empresa muito famosa elaborou um grande empreendimento, convocando todos os seres humanos por cinco anos, desabitarem a Terra para uma restauração ecológica através de robôs, WALL.Es, indo assim para uma nave que se estabelecia no espaço. Mas o consumo exacerbado levou o planeta a uma degradação e a uma poluição arrebatadora que nem as máquinas conseguiram concluir o serviço, restando assim, apenas uma barata e um pequeno robô, que depois de 700 anos realizava o trabalho em que foi programado, mas despertando uma personalidade curiosa por objetos simples entre outras ações humanas que via em VHS.
    Com o intuito de retornar ao planeta Terra, os humanos enviaram outro robô que recebe o nome de EVA cuja missão era encontrar vida vegetal. Entretanto, a nova companhia de WALL.E atingiu seu propósito e com isso, essa máquina de última geração regressa à base, sendo seguida por ele.
    Neste novo planeta espacial, encontram-se humanos obesos, desprovidos de contato sentimental, físico e educacional transformados em pequenas máquinas humanas manipuladas pelo mecanismo econômico em busca de um consumismo excessivo.
    Com o objetivo alcançado e a revelação humanizada do robozinho, surgi uma nova esperança de vida e vontade de reintegrar o planeta e as suas origens, onde os seres humanos começam a aprender o valor que nenhum dinheiro poderia comprar.

  26. Rayanne Heleodoro- 4° período PP Tarde

    A animação da Disney e da Pixar, “Wall-e”, faz uma projeção do planeta Terra daqui a alguns anos, onde ele é apresentado abarrotado de lixo e impróprio para a vida humana. O filme faz uma crítica a sociedade do consumo, tratando da questão da má utilização dos recursos naturais escassos pelo homem, efeito do consumismo exagerado. Discute-se desta maneira o Princípio da Escassez, caso fundamental da economia, que afirma que os bens são escassos porque não há recursos suficientes para produzir tudo aquilo que as pessoas desejam consumir. Uma vez que a preocupação acerca do uso eficiente destes recursos escassos vem crescendo cada vez mais em nossas sociedades, o filme “Wall-e” vem em hora bastante oportuna, seja para formar bons hábitos de consumo nas crianças, seja para alertar as pessoas em geral sobre os riscos do consumismo desenfreado.

  27. Mércia - 4º PP / Tarde

    O filme é Ótimoooo…
    Explana muito bem o resultado de uma sociedade consumista e sedentaria.
    O ínicio do filme é chocante, por apresentar quase 30 minutos de puro lixo e um silêncio que cria uma tensionamento, o qual abre espaço para reflexão.
    Em meio a abundância de escória, surge um recurso escasso o qual sua valia muda toda a perspectiva de vida da sociedade.
    Apesar de alguns exageros, acho que o recado foi deixado: O principal elemento de alimentação, construção e ”tudo” , a matéria-prima, precisa ser preservado.

  28. Wall-E é um filme produzido pela Disney e teoricamente direcionado para crianças, porém tem uma lição de moral surpreendente. O amor de Wall-E por Eva o leva a descobrir e tentar salvar o planeta, já que ele é o “único sobrevivente” na terra. E todos os acontecimentos do filme nos levam a pensar não somente na destruição do planeta que nós mesmos causamos dia após dia, mas principalmente no consumismo exarcebado. O modo de vida que se criou naquele meio cercado por um único padrão de comportamento nos faz crer ainda mais de como as pessoas são cada dia mais induzidas a consumir mais e melhor e, é isso que elas veem de mais importante. Ainda toca no princípio da escassez, onde os bens de consumo são limitados por mais que exista um desejo infinito de consumo. É um filme para nos fazer refletir sobre a sociedade atual, nos lembrando que essa não é uma situação apenas dos contos de ficção produzidos pela Disney, mas também uma das maiores realidades viviados por nós todos os dias.

  29. Valdevino, 4°Período RP-Noite

    O filme Wall-E nos faz refletir sobre o possível destino do planeta caso não nos preocupemos em preservar o que é nosso, ou seja, o planeta terra, que de acordo com o filme torna-se escasso em recursos ambientais que permitam que o planeta seja compatível com a vida.
    Após anos de poluição, apenas um robô é encarregado de limpar todo o estrago feito pela falta de conscientização da população que saiu do planeta em uma nave, passando a viver de maneira sedentária, mas desfrutando das maravilhas da tecnologia.
    Em certo momento um robô é enviado da nave para scannear o planeta em busca da possibilidade de regresso desta, se depara com o robô Wall-E que apaixonado tenta mostrar tudo o que tem encontrado em anos de coleta de lixo até o mais importantes de seus achados, uma planta, que irá transformar o futuro dos habitantes da nave.

  30. eleonorabastos

    Então Jefferson, parece que as empresas lá por volta do ano 2700 fracassaram em agregar o conceito “ecologicamente correto” às suas práticas.
    Já nas primeiras cenas de WAAL.E (sigla para os robos da série Wast Allocation Load Lifter. Earth Class) o que se destaca é uma sucessão de escombros de lojas e instalações do que parecia ser um único e imenso conglomerado, a rede Buy Large, representada na cena de abertura pelo Buy Large Ultrastore, Buy Large Gaz, Buy Large Bank…Também atuando no ramo de turismo a BL em 2075 partiu para um cruzeiro espacial previsto para durar cinco anos, tempo que o CEO da BL achava suficiente para que fosse encontrada uma solução para o excesso de lixo e sucata que entulhavam a Terra.
    Como se viu pelo desenvolvimento do filme a operação de limpeza fracassou anulando as condições de vida no planeta.